Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




O jardim lúdico de Bárbara
 


Bárbara Spanoudis    

Exposição: A Floresta Lúdica

 

Bárbara Schubert Spanoudis mostra suas pinturas, colagens e esculturas no Escritório de Arte Lordello&Gobbi, de 14 de maio a 15 de junho.

A exposição, intitulada A Floresta Lúdica reúne cerca de 35 trabalhos e tem a curadoria de Antonio Carlos Abdalla.

 

A artista estudou em São Paulo com Ernesto Klasing e Yolanda Mohaly, e em Porto Alegre com João Fahrion. Mais tarde complementou seus estudos com Macketanz na Academia de Dusseldorf, Alemanha.

 

Representante do Construtivismo dos anos 1960, influenciada pelo Abstracionismo Geométrico e pelo Concretismo, Bárbara se insere de maneira singular no panorama das artes plásticas do Brasil, fiel a uma trajetória pessoal.

 

A exposição registra a transformação de suas obras a partir dos anos 1970: das telas bidimensionais o plano geométrico se desdobra e ganha relevo, surgindo daí suas folhagens e atingindo o equilíbrio tridimensional nos seus balanços, montados a partir de pedaços de madeira cuidadosamente selecionados e agrupados. Nesse processo a cor é protagonista, com o uso de uma paleta cromática ousada.

 

A artista tem em seu currículo várias mostras individuais e coletivas, entre elas nas Galerias Astréia e Itaú e no Museu de Arte Contemporânea (MAC-USP), em São Paulo,  e no Brazilian American Cultural Institute (BACI), em Washington/ E.U.A.

 

Bárbara possui obras nos acervos do Museu de Arte de São Paulo (MASP), Museu de Arte Contemporânea de São Paulo (MAC-SP), Museu Santander e do Palácio 9 de Julho (Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo), além de figurar em coleções particulares no Brasil, E.U.A., Alemanha, Holanda, Grécia, Argentina e Suíça.

 

QUEM E O QUÊ

Bárbara Schubert Spanoudis, pintora e escultora

Exposição: A Floresta Lúdica

 

ONDE

Lordello&Gobbi Escritório de Arte

Rua Peixoto Gomide 2020, Jardim Paulista

São Paulo, 01409-000

Telefones: 3088-1632 e 3081-6439

www.lordelloegobbi.com.br; contato@lordelloegobbi.com.br

 

QUANDO

Vernissage: 13 de maio de 2008, às 19h00

Exposição: de 14 de maio a 15 de junho

segunda a sexta das 10h00 às 17h00

sábado e feriado das 10h às 20h00

 

CONTATOS:

acmabdalla@uol.com.br   tel: (11) 7417 5513  e domiciomachado@terra.com.br  

tel: (11) 9935-4778    -                        blog da artista:  http://barbara.spanoudis.zip.net

 

 

Tridimensionalidade conquistada

 

 

Nascida na Alemanha, porém brasileira pela vivência, Bárbara Schubert Spanoudis deve ser vista como uma artista de exceção. Há anos trabalha na direção de uma obra que vai ganhando, gradativa e coerentemente, relevo e tridimensionalidade. Pintora de formação sólida - adquirida em alguns anos de estudo na Alemanha, na Academia de Dusseldorf, com Macketanz, e no Brasil, com Ernesto Klasing, Yolanda Mohaly e João Fahrion – é uma representante daquilo que poderíamos chamar de “Geração do Construtivismo dos anos 1960”, atuante e grandemente influenciada pelo Abstracionismo Geométrico e pelo Concretismo. Sua proximidade com o cunhado, o crítico Theón Spanudis, reservou-lhe um lugar de muita originalidade no cenário das artes visuais do Brasil.

 

A partir dos anos 1970 seus trabalhos caminham do plano em direção ao tridimensional, não sem antes deixar de passar pelo relevo. É uma evolução certeira. A artista iniciou sua trajetória com a pintura de retratos mas depois fixou-se num geometrismo livre, ainda plano, averso a determinada Escola, mas de bom cunho. Do geometrismo na pintura enveredou para o relevo, com formas sobrepostas, em cores equilibradas e discretas. A partir de então, essas formas geométricas sofreram uma espécie de alongamento e se reorganizaram numa fase das folhas, referência às florações tropicais, que talvez prove um fascínio inconsciente de Bárbara pela nossa flora densa e rica, que tanto encantou os artistas viajantes do Brasil. Esses relevos acabaram por se acomodar em caixas, como se se pretendesse aprisionar esse geometrismo floral, já preparando o salto que estava por vir – essas sobreposições geométricas abandonaram a parede e chegaram à tridimensionalidade, como esculturas em madeira, de contornos dificilmente identificáveis em outros artistas. Aqui reside a maturidade de sua obra.

 

Bárbara utiliza pedaços de madeira de formatos escolhidos e supreendentes e constrói esculturas a partir da colagem dessas peças, lixadas e vivamente coloridas com inúmeras camadas de veladuras. Desde os relevos, Bárbara criou um efeito muito próprio, que chamou de luzes – que reforçam o claro-escuro e criam, propositalmente, um jogo de sombras e interpenetrações de grande impacto, presentes também como uma marca nas esculturas atuais.

 

Mas as características especiais desta obra de exceção não param aí. Além das formas surpreendentes adquiridas por suas esculturas, Bárbara segue bem na contramão das tendências previsíveis de hoje e exerce seu incontrolável fascínio pela cor. Convivemos hoje quase que com uma verdadeira ditadura da monocromia, inconsciente e injustamente relegamos as cores ao segmento do mau gosto. Olhando para as civilizações do passado - da egípcia à grega, da romana à bizantina, do Românico à Idade Média - vemos que as cores estavam sempre fortemente presentes, em vibrações intensas e sem pudores.  Ali estavam os grandes templos, pagãos ou cristãos, intensamente coloridos. O que vemos hoje deles é o resultado de séculos de degastes, descuidos e de um verdadeiro mutirão pela monocromia, resultado de teses e ações a partir do Renascimento, e culminando com a regra mais do que limitadora contemporânea do “menos é mais”, propagada à exaustão. Chegamos ao exagero numa verdadeira rejeição injustificada às cores, reflexo de outras maneiras de manipulações ideológicas. Enfim, a artista vai, feliz e literalmente, contra essa corrente.

 

Por ocasião de uma exposição na Pinacoteca Benedicto Calixto, de Santos, em que pela primeira vez mostrava um conjunto de suas obras desses recentes períodos, o crítico Alvaro Machado fez uma observação que merece ser reproduzida aqui: “Sua floresta lúdica (...), de chamas sinuosas frias, tende a provocar a imediata empatia do espectador, que se sente tentado à experiência táctil dos objetos e mesmo dos relevos posicionados nas paredes. A pesquisa e reciclagem de materiais sugere desdobramentos imprevisíveis e o progresso de uma linguagem, da qual conhecemos ainda apenas os passos inaugurais”*. Hoje podemos comprovar que o caminho traçado trouxe resultados realmente surpreendentes, revelando uma artista fortemente empenhada em assumir todos os riscos e prazeres de seu ofício de viver.

 

Antonio Carlos Abdalla

curador

São Paulo, março de 2008

 

* Álvaro Machado, A Tribuna de Santos, A Tribuna, Santos/SP, 18/09/98



Escrito por Barbara Spanoudis às 14h10
[] [envie esta mensagem
] []







Escrito por Barbara Spanoudis às 10h25
[] [envie esta mensagem
] []





Bárbara Schubert Spanoudis

Vernissage

13 de maio de 2008

Exposição

14 de maio a 15 de junho

seg a sex das 10 às 17 hs

sáb e feriado das 10 às 20 hs

Rua Peixoto Gomide 2020 - Jardim Paulistano


 

FORTUNA CRÍTICA

 

 

(...) “Nesta onda e avalanche de supostas propostas, experimentações e originalidade a qualquer custo, em geral tão magras e ridículas, que vivenciamos em nosso tempo, é muito confortante encontrar uma artista séria, fiel e tenaz em seu caminho. Evidentemente existem outros artistas sérios mas não tantos nesta loucura generalizada de pesquisas e novidades perpétuas que dominam o mundo artistico da atualidade”.

Theón Spanudis. São Paulo, 1978.

 

 (...) “As montagens de BSS são racionais, envolvendo equilibradas formas retas e côncavas. Alegres ou apagadas cores dão um visual quase sempre atraente às obras, todas à base de alumínio recortado. Assim, a composição geometrizante suge como autênticas formas em relevo. A artista persegue essa linha há vários anos e os trabalhos de fases anteriores, (...), provam a seriedade com que ela busca situar-se, e bem, na difícil área do construtivismo”.

Ivo Zanini. São Paulo, 1981.

 

 

(...) “Bárbara é uma profusão de cores e economia de material. Quase pintura recortada. Ela projeta a idéia, faz os recortes, pintando-os posteriormente, em separado. Só então ela cola, harmonizando quante/frio e claro/escuro. É, portanto, o processo que dá à sua colagem o aspecto de objeto escamado”. (...)

                                                                              Antonio Zago. São Paulo, 1983.

  

(...) “A arte de BSS amadureceu ao longo de muitos anos de trabalho árduo, incessante, marcado por fortes intuições básicas, séria reflexão e obstinadas pesquisas”. (...)

José Neistein. Washington/EUA, 1991.

 

(...) “Bárbara se destaca pela sua absoluta discrição, silêncio e isolamento, seu indisfarçável desprezo do modismo e dos ditos “movimentos”. É notável sua convicção e coerência absolutamente invejáveis, e sua fidelidade ao compromisso de uma vida e uma arte indissolúveis”.

Fayvel Hochman. Ilha de Santa Catarina, 1999.

 

 

(...) “Claramente adepta do Construtivismo, seus trabalhos iniciais são de grande rigor, onde as cores ainda aparecem timidamente. A policromia começa a libertar-se a partir de suas colagens planas e “caixas”, e se consolida em suas esculturas-balanços, nas explosões-florais ou nos tótens-torres, onde tudo vibra de forma frenética (...)”.

Antonio Carlos Abdalla. São Paulo, 2001.

 

 

 

 

 

CURRÍCULO RESUMIDO

 

Exposições Individuais

 

1969 - Galeria Astréia, São Paulo/SP

1978 - Galeria Astréia, São Paulo/SP

1968 - Galeria Espaço, São Paulo/SP

1981 - Museu de Arte Contemporânea (MAC-USP), São Paulo/SP  

1982 - Associção de Médicos, Santos/SP

1983 - Itaugaleria, São Paulo/SP

1983 - Brazilian American Cultural Institute (BACI), Washington/EUA

1993 - Museu Banespa, São Paulo/SP (em conjunto com Agi Straus)

1994 - Instituto Hans Staden, São Paulo/SP

1996 - Bayer do Brasil, São Paulo/SP

1999 - Livraria Cultura, São Paulo/SP

2001 - Galeria de Arte A Hebraica, São Paulo/SP (em conjunto com Agi Straus)

2008 - Lordello&Gobbi Escritório de Arte, São Paulo/SP

 

Exposições Coletivas

 

1956 - V Salão Paulista de Arte Moderna, São Paulo/SP

1966 - XV Salão Paulista de Arte Moderna, São Paulo/SP (Medalha de Bronze)

1967 - XVII Salão Paulista de Arte Moderna, São Paulo/SP (Medalha de Bronze)

1968 - II Salão de Arte, São Caetano do Sul/SP

1978 - Coleção Theon Spanudis, Centro de Artes Porto Seguro, São Paulo/SP

1979 - Coleção Theon Spanoudis, Museu de Arte Contemporânea, São Paulo/SP

1981 - II Salão Paulista de Artes Plásticas e Visuais, São Paulo/SP

1982 - X Salão de Arte Contemporânea, Santo André/SP

1982 - I Salão Paulista de Arte Contemporânea, São Paulo/SP

1982 - Kouros Gallery, Nova York/EUA

1984 - Kouros Gallery, Nova York/EUA

1984 - Galeria de Arte América, La Paz/Bolívia

1987 - Museu de Arte Contemporânea (MACA), Americana/SP

1991 - Da Alemanha para o Brasil: Artistas que percorreram o caminho de Lasar Segall,

           Museu de Arte Contemporânea (MAC-USP), São Paulo/SP  

1993 - Eram Brasileiros os que ficaram, Pinacoteca do Estado, São Paulo/SP

1994 - Bandeiras: 60 artistas homenageiam os 60 anos da USP,

           Museu de Arte Contemporânea (MAC-USP), São Paulo/SP

1996 - Tendências Construtivas no acervo Museu de Arte Contemporânea (MAC-USP),

           Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro/RJ

1996 - Bandeiras, Galeria de Arte do Sesi, São Paulo/SP

1996 - Mulheres Artistas no acervo, Museu de Arte Contemporânea, São Paulo/SP

1998 - 4 Visões da Criação, Pinacoteca Benedicto Calixto, Santos/SP

1999 - Subterrâneos, Cultura Inglesa, São Paulo/SP

2000 - Os Dez Mandamentos, Espaço Cultural Banespa-Paulista, São Paulo/SP

2001 - Meninos do Brasil: crianças vitimizadas, Espaço de Artes Unicid, São Paulo/SP

 

A partir de 1993, participou de várias exposições organizadas pela Associação Paulista de Artistas Plásticos (APAP) e pela Associação Brasileira de Artistas Plásticos da Colagem (ABAPC).

 



Escrito por Barbara Spanoudis às 10h20
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]